domingo, 19 de abril de 2009

Change we can believe in: aham!



A declaração do mais novo conservadorzinho de Washington, em conferência coletiva, por ocasião do encerramento (fracassado) da V Cúpula das Américas, em Trindade e Tobago, ilustra bem a "mudança" representada pelo velho partido Democrata (?) dos EUA, o mesmo responsável pela imposição do bloqueio à Cuba, através do último herói do capitalismo yankee, John F. Kennedy.

Obama declarou: "Estas políticas de Washington para Cuba não funcionaram como nós desejávamos, já que o povo cubano não é livre". Como diria Luiz Carlos Azenha, pausa para risadas.



Ainda teve o descaramento de sugerir que Venezuela e Cuba devem mostras "ações e não simples palavras".

Pois bem, antes que as tietes de Obama de plantão venham desqualificar o crítico, lembremos que o bloqueio além de imoral foi condenado pela ONU dezesseis vezes, condenações essas ignoradas assim como Kim Jon Il o faria.

Segundo relatório da ONU em 2005, o bloqueio já provocou cerca de 89 bilhões de dólares em prejuízo, quase o dobro do PIB da ilha. Mesmo assim muitos propagam o velho discurso imperialista da "liberdade" dos EUA em fazê-lo, e em nome dela (?). Desconhecem que o bloqueio vai muito além das relações Cuba x EUA, também bloqueia as relações comerciais de Cuba com o Mundo, se não vejamos algumas características dessa política vergonhosa:

é proibido empresas de terceiros países a exportação para os Estados Unidos de qualquer produto que contenha alguma matéria-prima cubana (A França não pode exportar para os Estados Unidos uma geléia que contenha açúcar cubano);

é proibido a empresas de terceiros países que vendam a Cuba bens ou serviços nos quais seja utilizada tecnologia estadunidense ou que precisem, na sua fabricação, produtos dessa procedência que excedam 10% do seu valor, ainda quando os seus proprietários sejam nacionais de terceiros países;

proibe-se a bancos de terceiros países que abram contas em dólares norte-americanos a pessoas individuais ou jurídicas cubanas, ou que realizem qualquer transacção financeira em essa divisa com entidades ou pessoas cubanas, em cujo caso serão confiscadas. Isso bloqueia totalmente Cuba de utilizar o dólar em suas transações de comércio exterior;

é proibido aos empresários de terceiros países levar a cabo investimentos ou negócios com Cuba, sob o suposto de que essas operações estejam relacionadas com prioridades sujeitas a reclamação por parte dos Estados Unidos da América. Os empresários que não se submetam a essa proibição serão alvo de sanções e represálias como o cancelamento, ou não renovação, de seus vistos de viagem aos Estados Unidos.
(fonte: Wikipédia)

Quem é dado mais a "simples palavras", mais do que ações é o palhaço de Washington (com todo respeito à profissão):

falou em fechar as prisões ilegais e imorais dos EUA em todo o Mundo, até agora nada...;

cobrou democracia em Cuba, mas foi eleito com o maior financiamento privado da história em um regime "democrático" de apenas dois partidos;

cobrou a libertação de presos políticos, mas além das prisões ilegais e imorais no exterior mantém os cinco patriotas cubanos que dfendiam Cuba do terrorismo da máfia de Miami, financiada pelos EUA;

a propósito, toda equipe econômica da era Bush, manda um alô do FED!

Mudança que podemos acreditar! hahahaha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somente comentários respeitosos serão aceitos, incluindo críticas, sugestões, dúvidas, elogios, opiniões etc.